sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

ACADEMIA DE LETRAS E ARTES LUSÓFONAS – ACLAL
dos oito Países de Língua Portuguesa, na nossa Terra.

À Assembleia-geral da Academia de Letras e Artes Lusófonas – ACLAL compareceram e fizeram-se representar 221 membros fundadores; dentre as muitas centenas, dos oito Países Lusófonos.
Pelas 15 horas de sábado, 03 de Outubro corrente, viam-se chegar veículos atrás de veículos, transportando pessoas que vinham do Algarve, de Lisboa, Cartaxo, Alcanena, Tomar, Leiria, Coimbra, Aveiro, Porto, Braga, Guimarães e doutras Vilas e Cidades de Portugal. Pessoas de várias raças, rostos conhecidos dos meios da Cultura, mormente das Letras e das Artes, entravam no Auditório José Vasconcelos, no Parque do Museu Maria da Fontinha – em Além do Rio, Gafanhão – para discutirem e decidirem sobre o Regulamento Interno da Academia e elegerem os Corpos Sociais que no próximo triénio dirigirão os destinos da mesma, após o que haverá mudança da sede social para o Brasil, seguindo-se Angola e os demais Países Lusófonos, por ordem alfabética.
Algumas notas que foram expressas, no momento, dão-nos ideia do que as pessoas sentiam:

“Aqui florirão as Musas “emigradas” da Velha Hélade… Fico imensamente feliz com este “encontro”.Fernando Paulo Baptista

“O nosso primeiro encontro, primeiro passo de muitos que há a percorrer neste nosso “nascer” para o Mundo, levando a nossa língua e a nossa cultura pelos laços dos afectos.”
Libânia Madureira
“Grande e virtuoso dia este, o do nascimento de tão nobre Movimento para a Lusofonia: “VERITAS PER ARTEM”
Daniel Calado Café
“É com inaudito prazer que retorno a esta Terra mágica e cheia de encanto imbuída da vontade precisa para erguer esta bandeira da Lusofonia, pela nossa amada língua”.
Teresa Calçada

“Lusofonia com sentimentos, com fraternidade, solidariedade, comunhão, com dádivas recíprocas, tudo atado com os laços do idioma que é cantado em todas as Terras e Mares com notas diferentes mas para todos inteligíveis e belas…”
Alberto Lucena
E, finalmente, a mensagem primeira, improvisada e sentida, do Presidente da ACLAL:

“Pluralizando o pensamento de Pessoa:
“Os homens sonham, Deus quer, a Obra nasce”
Neste caso um sonho de muitos, o qual, nalguns momentos e espaços, já foi sentido e (também) realizado.
Sonhado que foi por António Vieira, o seu “imperador”, por Agostinho da Silva, Fernando Pessoa, Eduardo Lourenço, seus seguidores, todos eles e tantos outros, a trilhar os caminhos em direcção à reluzente estrela que alumia o mágico, encantado e desejado V Império, mito que se tornará “realidade” com a conjunção de esforços de todos os que se expressam através da amada Língua de Bilac, de Assis, de Pepetela, de Mia, de Eça, de Camilo, de Camões, de Amado, de Aquilino, de Torga, de Erico, de Carlos Gomes, de Malhoa, de Nobre, de Agenor, de Di Cavalcanti, de Portinari, de Niemeier, de Glauber, de Villa-Lobos, de Lopes Graça, Jolly, Seixas, Cecília, Sophia, Herberto, Fernando Paulo, Víctor Aguiar e Silva, Vicente, Lygia, Raquel, Manoel Oliveira, Fernão Lopes, Coelho, Antero, Ary, Natércia, Natália, Mandarino, Iracy, Sansão e tantos e tantos outros de Angola a Timor por todos os oito países que falam em português.
Nas letras, nas demais artes, em todos os aspectos das respectivas culturas propõem-se matrimónios indissolúveis em que os divórcios são desconhecidos entre todos os povos lusófonos entre si, dando-se uns aos outros em autêntica fraternidade, solidariedade e comunhão numa verdadeira e sã interculturalidade na multiculturalidade; em todos os tempos e em todos os seus espaços, sentindo-se as mensagens trocadas nas brisas que sobrenadam os mares soprados pelos Atlantes e pelo Índico das monções trazendo fragrâncias de cravo e canela, de lírio e rosas, de estevas e alecrins, de jasmins e cerejeiras, debaixo dos cantos dos sabiás, das aves das selvas, de Amália, de Vinícius, de Indico, de Cesária, de Dolores, Maysa, Alcina, de Isabel Silvestre, de Elis, de Zé Afonso e tantos.
Avante Brasil, gigante a movimentar o comboio da Lusofonia.
Avante Angola, Cabo Verde, Guiné, Moçambique, São Tomé e Príncipe.
Avante Timor e Comunidades de Língua Portuguesa, em Goa, Malaca, Macau, Alemanha, Canadá, França, Suíça, Andorra e outras.
Avante pela amada Língua e pelo sublime sentimento da Fraternidade e da Lusofonia.
O Arménio Vasconcelos”

Os elementos dos Órgãos Sociais foram eleitos por unanimidade, após o que ocorreu uma espontânea aclamação.
Eis os seus nomes:

Para a Assembleia-geral:
Presidente: Manuel Prates Mendes Miguel (Escritor, Advogado e dirigente associativo)Vice-presidente: Joaquim Soares Duarte (Jornalista e Poeta)Secretária: Nélia Carla de Sousa Matos Amaro (Directora Comercial)Para a Direcção:
Presidente: Arménio dos Santos Vasconcelos (Escritor, Museólogo, Advogado, Eng. Técnico Agrário)Vice-presidente: Adélio David Oliveira Amaro (Editor, Professor, Escritor e dirigente associativo)Vice-presidente: Daniel Calado Café (Museólogo, Autarca e dirigente associativo)
Vice-presidente: Cristina Manuela Martins Correia (Docente, Escritora, Professora Bibliotecária, Licenciatura em Animação Sócio-Cultural e Educadora de Infância)1.º Secretário: Óscar Dinis da Silva Martins (Licenciado em Línguas e Literaturas Clássicas e Português e Director da Biblioteca Municipal de Alcanena)2.ª Secretária: Maria Lucília Marques do Rego de Vasconcelos (Professora do Ensino Secundário e Educadora de Infância)1.º Tesoureiro: Flávio dos Santos Alves (Intendente da PSP e Escritor)2.º Tesoureira: Claudina Libânia Henriques Valente Madureira (Escritora e Secretária)Director de Protocolo: Nuno Filipe Coelho de Jesus (Jornalista e Director de empresa)Directora Social: Ana Cristina Ribeiro Santos (Mestre em Administração e Planificação da Educação, Doutoranda em Ciências da Educação)Director Cultural Letras: Prof. Dr. Fernando Paulo Baptista (Docente Universitário e Escritor)Director Cultural de Artes – Pintura e Escultura: Noémia Maria Travassos (Artista Plástica e Docente)Director Cultural Outra Artes: Lúcia Margarida Condeço Simões (Animadora Cultural e Artista)Director Património e Documentos: Maria Fernanda Rodrigues Duarte (Administrativa e Animadora Cultural)Director Coordenador das Comissões: António Luís da Mota Barbosa (Engenheiro e Escritor)Do Conselho Fiscal:
Presidente: Manuel Fernandes (Escritor e dirigente associativo)Vogal: António dos Santos Nunes (Técnico Oficial de Contas e Escritor)
Vogal: Paula Alexandra Ambrósio Vasconcelos (Empresária e Gestora)
Por outro lado, quanto aos demais Países, Estados e Comunidades Lusófonas, e como representantes da Academia, com a denominação de Vice-presidentes respectivos, desde já se indicam os seguintes:
Angola: A confirmar
Cabo Verde: Câmara Municipal do Sal, representada pela Vereadora do Pelouro da Educação, Promoção Social e Condição Feminina, Dra. Judite Neves Santos
Goa: A confirmar
Guiné-Bissau: A confirmar
Moçambique: Cristina Manguele, Directora Municipal de Arquivo, Documentação e Biblioteca do Conselho Municipal de Maputo e Escritora
São Tomé e Príncipe: A confirmar
Timor: A confirmar, aguardando-se resposta ao contacto levado a efeito com o Primeiro-ministro Dr. Xanana Gusmão
Quanto ao Brasil estão já certos os seguintes:
Estado do Rio de Janeiro: Federação das Academias de Letras e Artes do Rio de Janeiro, representada pela sua Presidente, Eliane Mariath Dantas
Estado do Acre: Academia de Letras e Artes Brasileia, representada pelo escritor Mauro Modesto
Estado de São Paulo: Titina Corso, Artista Plástica e Docente
Estado de Roraima: Jorge Mota de Almeida, Engenheiro e Escritor
Estado de Mina Gerais: Andreia Aparecida Silva Donadon Leal, Artista Plástica, Escritora e Dirigente Associativa
Estado do Amazonas: Sebastiana Sampaio (Tiana Sampaio), Artista Plástica
Estado de Piauí: João Batista Pereira de Carvalho, Advogado, Escritor e Dirigente Associativo
Estado do Maranhão: Benedita Azevedo, Escritora, Professora e Dirigente Associativa
Estado do Ceará: Luis Gondim, Médico e Escritor
Estado do Espírito Santo: Tônia Oberlaender, Docente e Pintora
Estado da Bahia: Wanda de Assis Brauer, Advogada e Poeta
Estado de Goiás: Zilda Pires, Escritora, Professora e Conferencista

Parágrafo primeiro: Autonomizados dos Órgãos Sociais supra referidos, serão criados Departamentos compostos por personalidades gradas, simpatizantes da nossa causa e fins sociais e académicos, cujos nomes constarão de um quadro extra; funcionando aqueles Departamentos também como Órgãos Consultivos. Advirão outros Departamentos, sendo, porém, certo que são já criados o Departamento Médico / Fármaco / Enfermagem do qual fará parte, desde já, o Médico Especialista e ex-director hospitalar, Arnaldo de Matos Valente; o Departamento Jurídico que englobará magistrados, advogados e solicitadores; o Departamento relativo a Museus e Bibliotecas, do qual fazem parte Óscar Dinis da Silva Martins, Daniel Café, Arménio Vasconcelos e Isabel Cristina Santos; o Departamento de Expansão / Divulgação da Lusofonia da Academia e da Língua Portuguesa propriamente dita para o qual serão convidados os Professores Catedráticos Nair de Nazaré Castro Soares, Fernando Paulo do Carmo Baptista, André Matias e outros, bem assim quem disponha de meios informáticos para tal, v.g. Folheto Edições, António Nunes e Óscar Dinis da Silva Martins; o Departamento de Filantropia, para o qual vão ser convidados Instituições e Membros da Academia; o Departamento Autarquias, de que fazem parte António Manuel Leitão Borges, Ana Cristina Santos, Câmara Municipal de Castro Daire, Câmara Municipal do Cartaxo, Câmara Municipal de Alcanena, Câmara Municipal do Sal; o Departamento Ecumenismo Religioso; o Departamento do Ambiente e Cidadania, de que faz parte António Luís Mota; o Departamento da Juventude Lusófona, de que faz parte Filipe Manuel Correia Marado; Departamento Etnografia e Folclore, de que fazem parte José Alberto Sardinha e Lúcia Oliveira; o Departamento de Fotografia e Design; o Departamento de Música; o Departamento de Cinema e Teatro de que faz parte Lúcia Simões; o Departamento de História, que inclui Norberto Costa, Fernanda Graça e Marquês de Viana e o Departamento Pintura e Escultura, de que faz parte Nelson Augusto (Noslen).

Fazemos votos que a grandeza manifestada na sua constituição ofereça frutos sãos e maduros a todos os Povos que falam português.
Com isso, também a nossa Terra ficará honrada e será reconhecida por ser a primeira Casa de tão nobre Academia e Casa de Cultura.


P.S. Várias Associações, Sociedades e Câmaras – entre as quais, a de Castro Daire – são membros fundadores da ACLAL.

4 comentários:

  1. desejo o maior sucesso nesta caminhada que começa agora à volta do mundo.

    ResponderEliminar
  2. Enquanto não for linkado neste sítio, pode ler-se o Boletim nº 1, NOvembro de 2009, em www.leiriana.net

    ResponderEliminar
  3. gostaria de mais informações sobre candidatura.
    Fraterno abraço,
    JUAHREZ ALVES.'.
    CURRÍCULO ONLINE: http://grandecoracaoproducoes.spaces.live.com

    ResponderEliminar
  4. Como membro da Academia de Letras do Brasil - Brasília-DF; Cônsul de Poetas del Mundo na cidade de Recife-PE e membro da União Brasileira de Escritores - Secção Pernambuco, coloco-me ao dispor de V. Exa. para colaborar com e integrar a ACLAL.

    Respeitosamente,

    Marcos de Andrade Filho.

    ResponderEliminar